CURIOSIDADES
Voltar
Depressão em animais

Por Camila Carnicelli - Médica veterinária O que fazer? Como evitar? Não são apenas os seres humanos que estão sujeitos a entrar em depressão, os animais, principalmente cães e gatos também podem sofrer deste mal. Diversos fatores podem levar um animal a essa alteração comportamental, mas o mais comum está ligado à falta de atenção e companhia dos donos, seja por uma vida atribulada, viagens ou até falecimento. Às vezes uma simples mudança de casa, pode ser o fator desencadeante do processo. Os sintomas são variáveis e podem se manifestar de forma diferente em cada indivíduo, mas os mais freqüentes são: prostração, inapetência, inquietação e alterações comportamentais com atos repetitivos como, por exemplo, lambedura excessiva das patas, do chão, correr atrás do rabo e, muitas vezes, esses animais acabam se automutilando, passando a ferir as patas ou mordiscar a cauda. Gatos deprimidos, por exemplo, costumam parar de se alimentar o que pode gerar problemas metabólicos sérios devido ao jejum e a perda repentina de peso. Ao detectar alguma dessas alterações, procure identificar a causa, pense no que pode ter mudado. Às vezes é a chegada de um bebê na família e o animal deixa de ser o centro das atenções, outras vezes o animal quando filhote se acostuma com um tipo de atenção e depois que cresce fica abandonado no quintal. É importante perceber e identificar o que pode ter mudado na dinâmica da família que pode ter atingido direta ou indiretamente o bichinho. Alguns casos são facilmente resolvidos com uma mudança no comportamento dos donos, com passeios e brincadeiras mais freqüentes. Florais de Bach têm representado uma alternativa muito boa em animais e pode ser utilizado sem contra-indicações. Em casos mais severos em que o animal está se mutilando pode ser necessário administrar antidepressivos alopáticos como a fluoxetina, por exemplo. Previnir é sempre o melhor remédio! Veja essas dicas: • Evite deixar o seu animal sozinho por muito tempo; • Caso você vá fazer uma viagem longa, se possível, deixe-o com alguém que ele conheça e esteja habituado; • Ao escolher um animal de estimação: Se você trabalha o dia todo fora e o seu animal ficará sozinho, um gato se adapta melhor a essas condições que um cão. • Evite deixar o seu cão preso em espaços pequenos. • Reserve um período do dia para acariciar e brincar com o seu animal. Os animais, assim como os seres humanos, necessitam do carinho e contato daquele que ele mais ama: você! • Passeios são ótimos para distraí-los e exercitá-los, dando aquela sensação de bem-estar.