CURIOSIDADES
Voltar
Reprodução 1: acasalamento consciente

Por Camila Carnicelli - Médica veterinária Não vê a hora de ter os filhotes andando pela casa! Você resolveu acasalar a sua cadelinha e não vê a hora de ter todos aqueles filhotes lindos andando pela casa e fazendo a maior farra, não é? Mas antes de qualquer coisa, você deve ficar atento a alguns cuidados com a fêmea antes do acasalamento e durante toda a gestação para que a mãe e os filhotes permaneçam saudáveis. A gestação é um período muito importante em todas as espécies, e necessita de cuidados prévios e acompanhamento médico. •Tenha a certeza de que a sua fêmea já atingiu maturidade sexual suficiente antes de acasalar. O ideal é a partir do terceiro cio. •Antes de cruzar, verifique se as vacinas estão em dia e faça um exame de fezes antes do cio para se necessário medicá-la, evitando desta forma que a fêmea transmite parasitas intestinais aos filhotes. Uma avaliação veterinária antes do parto é muito importante. •A escolha do macho deve ser cuidadosa. Escolha um macho da mesma raça, e de preferência do mesmo tamanho ou até menor que a fêmea. Machos muito maiores resultam em filhotes muito grandes, podendo causar problemas no momento do parto. •Fêmeas obesas não devem acasalar. O ideal é que ela perca peso para que tenha uma gestação saudável. Se a sua cadelinha está obesa, melhor perder peso e aguardar o próximo cio. O primeiro cio geralmente ocorre a partir do 6º mês de idade até 1 ano. A periodicidade também pode variar, algumas cadelas possuem cios regulares a cada 6 meses, a cada 8 meses, ou até mesmo a cada 12 meses. O cio é o período em que os óvulos são liberados pelos ovários da fêmea e dura poucos dias. Antes, ocorre um sangramento, a vulva aumenta muito o seu tamanho e nota-se um gotejamento de sangue contínuo que pode durar uns 10 dias até que o cio se inicie. A fêmea começa a aceitar o macho a partir do 7º ou 8º dia, mas ela só estará fértil a partir do 11º dia. O ideal é que o acasalamento seja feito uma vez por dia durante dois dias consecutivos. Durante o ato sexual, o momento da ejaculação é quando o macho e a fêmea ficam "de traseiro" um para o outro, este momento pode durar alguns minutos. Nunca tente separá-los, pois os machos possuem um osso peniano, seu pênis aumenta de tamanho e só volta ao normal após a ejaculação. A tentativa de separá-los nessa hora pode provocar a fratura deste osso e até comprometer a reprodução deste animal. Algumas fêmeas são muito ariscas e não aceitam o macho escolhido de forma alguma, a alternativa é tentar mudar o reprodutor ou em ultimo caso, tentar a inseminação artificial. Uma cadela que cruza com dois machos no mesmo cio, pode ter filhotes de pais diferentes numa mesma ninhada, por isso, tome cuidado se você tiver machos e fêmeas de diferentes raças convivendo no mesmo espaço. Existem casos de insucesso na reprodução resultante da infertilidade da fêmea ou do macho. Se isso ocorrer, procure um médico veterinário para identificar a causa. Algumas doenças são transmitidas geneticamente. Portadores de displasia coxo-femural, sarna demodécica, catarata juvenil, brucelose, epilepsia, criptorquidismo (ausência de um testículo) entre outras, não devem acasalar.