CURIOSIDADES
Voltar
O que fazer com seu pet nas festas de final de ano?

Saiba porque os fogos assustam o animal, como lidar com o pet durante a ceia de natal e o que fazer com ele em caso de viagem O réveillon já está chegando! Este é o momento de se despedir do ano que passou e celebrar a chegada do Ano Novo. Mas, o que é sinônimo de festa, alegria e confraternização para as pessoas pode ser um verdadeiro transtorno para os cães, especialmente na tão esperada virada do ano. Quem tem um cachorro em casa já sabe o que esperar na hora da queima de fogos. Basta o primeiro barulho para o animal começar a tremer feito vara verde, se esconder embaixo do sofá, começar a latir ou até babar. E leva um tempo para o pet se acalmar e voltar com o rabinho balançando para participar da festa. Por que os cachorros ficam apavorados com os fogos de artifício? “Os cães tem um limiar de audição muito maior do que o nosso. É como se fosse uma audição pelo menos 10 vezes mais aguçada do que a do ser humano”, explica a médica veterinária Ana Gabriela Azevedo. Segundo ela, esta audição mais aguçada faz com que os cães sintam os estampidos, gerando taquicardia e tremores. “Isso [os fogos] abala, ofende o aparelho auditivo”, diz Ana Gabriela. A sensação é de medo, ameaça, desencadeada por uma descarga de adrenalina no animal. E não são só os cães que ficam com medo, o mesmo pode acontecer com outros animais, a exemplo dos gatos. Uma coisa é certa: é quase impossível evitar os fogos de artifício durante o réveillon. Então, o que fazer para ajudar os pets neste momento? “Hoje a gente indica a utilização de florais, homeopatias. A gente prescreve muito, porque deixa os animais mais tranquilos. Costuma deixá-los mais serenos”, afirma a médica veterinária. Ceia de natal Antes do réveillon, vem o Natal. E comer a deliciosa ceia é um dos momentos mais esperados dos festejos natalinos. A comida é de dar água na boca – e nos focinhos também. Aquele olhar pidão é irresistível para muitos donos de animais de estimação, que caem na tentação de dar pelo menos um pedacinho para o seu melhor amigo. Apesar de ter as melhores intenções, esta atitude não é recomendada. “Cães e gatos devem comer exclusivamente ração”, frisa a Dra. Ana Gabriela Azevedo. Os mimos devem ser voltados para eles, como os petiscos: eles não tem muitas enzimas e muitos produtos que são inócuos para o ser humano podem fazer mal para o animal. Quem quiser agradar o seu cãozinho, no máximo pode comprar um panetone canino, aconselha a médica veterinária. Vai viajar? Veja o que fazer com o pet Além de muita festa, o final do ano também é um momento em que as famílias aproveitam para viajar. Como nem sempre é possível levar os cães e gatos, os donos ficam em dúvida do que fazer com o animal. Alguns optam por deixar bastante ração e água para os bichinhos, o que pode não ser uma boa alternativa. “Você não tem muita previsão de quanto vai comer e, às vezes, [os animais] ficam sem comer devido à solidão”, afirma a Dra. Ana Gabriela. Uma opção é levar os animais para um hotel próprio para hospedá-los. “É o mais seguro e coerente”, diz a médica veterinária. Entretanto, segundo ela, alguns cuidados devem ser tomados. Os donos devem dar preferência aos hotéis que tenham pessoas supervisionando 24 horas por dia, ficar atentos em relação ao estabelecimento e procurar se informar sobre a rotina do local, se há presença de parasitas, controle de carrapatos, por exemplo.